Nesta matéria poderão compreender mais sobre amputação e conhecer um pouco da história de Angelle Freitas

14/11/2020 às 14:38 – Por Elexsandro Araújo / Colunista Blog do Andros

bannerp2
Divulgação

Amputação é o termo utilizado para definir a retirada total ou parcial de um membro, sendo este um método de tratamento para diversas doenças. É importante salientar que a amputação deve ser sempre encarada dentro de um contexto geral de tratamento e não como a sua única parte, cujo intuito é prover uma melhora da qualidade de vida do paciente.

A reabilitação deverá contar com uma equipe multiprofissional que pode ser composta, por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e psicólogos. O projeto terapêutico do paciente deve ser pactuado dentro da equipe multiprofissional, objetivando garantir uma atenção integral e evitando a existência de condutas conflituosas.

Estima-se que as amputações do membro inferior corresponda a 85% de todas as amputações de membros.

Dor no segmento amputado

Ao longo da vida, todas as pessoas estão sujeitas a acidentes ou a doenças que levem a perda de membros e partes do corpo. Frequentemente, após uma amputação, a sensação do membro ou parte do corpo perdida ainda persiste. Essa sensação é chamada de “fenômeno fantasma” e é provavelmente gerada pela manutenção, no esquema corporal presente em nosso sistema nervoso, do membro fisicamente perdido.

Fisioterapia pré-amputação e pós-amputação

Pré: Quando a amputação é programada, devido causa vascular, o paciente realiza exercícios de fortalecimento dos braços, visando sustentar melhor o peso do corpo, pois inicialmente o mesmo irá andar com o apoio das muletas, e também o fortalecimento das pernas, que tem como intuito fortalecer os músculos que ficarão preservados após a amputação.

Pós: Técnica manual e enfaixamento para manter o coto em forma apropriada para receber o encaixe da prótese. Nesta etapa o que se busca é manter o coto com a cicatriz sem aderências através de massagem específica, além de manter o coto mais arredondado através de faixa elástica.
Exercícios de fortalecimento muscular dos braços (importantes para o uso das muletas quando ainda não estiver com prótese), da perna preservada (para sustentar o corpo) e do coto da perna amputada (importante para a colocação da prótese).

Treino de marcha, equilíbrio e coordenação (com muletas e/ou já com a prótese para locomoção). Aqui o que se busca é poder preparar a pessoa para andar sozinha com equilíbrio e coordenação. Como existem vários tipos de próteses, esta etapa pode durar um pouco mais do que as outras.

Sobre Angelle Freitas…

pacientep2
Divulgação

Um ser humano incrível que tenho o prazer de ter como paciente. Angelle mora em Jaboatão dos Guararapes, é biomédica, dona de um astral surpreendente! Mesmo em meio às questões difíceis que enfrenta, o seu sorriso é contagiante! É pessoa amputada, mas, nunca permitiu que o acontecido tirasse a sua incomensurável vontade de viver. Não obstante a amputação, ela também é pessoa cega. Ela leva uma vida bastante ativa. Faz Pilates, ama sair para dançar, com a sua alegria contagia todos ao seu redor. Falar sobre a sua existência e garra, é falar de resiliência. É saber que independentemente podemos viver felizes! E, como ela sempre diz: “sou cega. Mas, há momentos que parece que os outros são mais cegos do que eu”. “Cuidado: a minha perna é pesada”. Angelle, você é incrível! Parabéns sempre!

epnova

Dr. Elexsandro Araújo é Fisioterapeuta, Mestrando em Gerontologia e Especialista em Gerontologia. Diretor da Terapias Integradas Home, Professor, Palestrante, Escritor e Colunista

Contato: elexsandroaraujo@outlook.com
Instagram: @elexsandroaraujo