04/04/2020 às 00:29 – Por Elexsandro Araújo / Colunista  Blog do Andros

sil
Professor Silas Santos. Foto: Divulgação

Conversei com o professor de Libras e mestre em Educação Inclusiva, Silas Santos. Na entrevista, aqui para a minha coluna, ele fala da Libras no contexto da saúde e explica em detalhes sua vivencia com a língua de sinais.

Elexsandro Araújo – Professor Silas, muito bem-vindo a esta entrevista! A Libras é considerada uma língua mundial?

Silas dos Santos – Não, a Libras – Língua Brasileira de Sinais – não é universal. Embora esse questionamento seja bastante recorrente, é intento destacar que não se trata de um código, onde todas as pessoas surdas de todas as sociedades podem utilizar. Trata-se de uma língua. Um idioma com estrutura gramatical própria. Onde houver pessoas surdas interagindo, haverá línguas de sinais: americana, japonesa, chinesa e outras.

O que define como indispensável o uso da Libras?

Hoje, é indispensável que todas as pessoas possam aprender Libras. É fundamental para o desenvolvimento social e emocional de pessoas surdas, mesmo quando não convivemos ou mantemos algum contato. Ter a oportunidade de se dedicar ao aprendizado da Libras é pensar na inclusão dos usuários dessa língua, é tornar os espaços mais equânimes, interativos, receptivos e, sobretudo, humano.

Enquanto professor de Libras, encontra dificuldades no aprendizado dos alunos com a língua?

Estar disposto a aprender um idioma requer tempo, dedicação e estudo. Com a Libras não é diferente. É possível, por meio dessa língua, discutir filosofia, artes, literatura, refletir e argumentar sobre os mais diversos assuntos. Todavia, para que isso aconteça, não basta se apropriar, apenas, dos sinais (palavras, na língua portuguesa). É preciso aprender gramática e conhecer, de fato, a língua. A expressão corporal, a percepção e a compreensão visual são algumas das dificuldades que podem ser destacadas, entretanto, recursos, ferramentas e estratégias de aprendizagem são contributos facilitadores no processo.

Qual o papel da Libras no contexto da saúde?

No contexto da saúde, a Libras exerce um papel fundamental e de muita importância: a quebra das barreiras na comunicação entre as pessoas, colaborando para compreender o outro, suas características, suas necessidades.

“Ter a oportunidade de se dedicar ao aprendizado da Libras é pensar na inclusão dos usuários dessa língua, é tornar os espaços mais equânimes, interativos, receptivos e, sobretudo, humano”

Qual o ponto negativo que a falta do conhecimento dos profissionais da saúde sobre a Libras pode gerar na assistência ao paciente surdo?

Inúmeros dispositivos legais garantem os direitos das pessoas com deficiência aos serviços de saúde. O decreto 5.626/2005, que regulamenta a Lei 10.436/2002 (Lei que reconhece a Libras como meio legal de comunicação e expressão de pessoas surdas), assegura, no capítulo VII, o atendimento às pessoas surdas por profissionais capacitados para o uso de Libras. Apesar disso, atualmente, a acessibilidade comunicacional é precária ou, muitas vezes, inexistente. Assim, a pessoa surda acaba enfrentando barreiras, pois não há profissionais que conheçam e se comuniquem em Libras, a comunicação acaba sendo fragilizada e o atendimento sem qualidade, podendo comprometer a saúde do paciente.

O que soma de positivo o conhecimento do profissional da saúde sobre a Libras?

Nesse contexto, a Libras torna-se urgente, visto que corrobora com o cuidado ao paciente, facilita a indicação de sintomas que podem ser indispensáveis para o diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças. Um profissional da saúde que se dedica a aprender a Libras e as necessidades das pessoas surdas torna-se mais humano e garante a inclusão social.

Professor Silas, muito obrigado por sua brilhante participação e por somar com um conteúdo tão relevante. Deixe uma mensagem aos estudantes e profissionais da saúde, como uma forma de estímulo para que tenham como objetivo o aprendizado da Libras.

Deixo, aqui, uma reflexão da autoria de Pedro M. Garcez (2009) quando nos convida a aprender mais sobre a Libras e conclama “[…] que mais ouvintes tenham conhecimento do rico universo humano que se faz nas línguas de sinais, com as línguas de sinais, e particularmente com a Língua Brasileira de Sinais, essa Libras que nos toca de perto, se soubermos escutar para vê-la. (GARCEZ, 2009).

*Prof. Me. Silas dos Santos… Professor de Libras do IFPE e Mestre em Educação Inclusiva/UFPE. E-mail: silasnascsan@outlook.com

epnova
Dr. Elexsandro Araújo é Fisioterapeuta, Mestrando em Gerontologia e Especialista em Gerontologia. Diretor da Terapias Integradas Home, Professor, Palestrante, Escritor e Colunista

Contato: elexsandroaraujo@outlook.com
Instagram: @elexsandroaraujo