04/04/2020 às 21:30 – Por Elexsandro Araújo / Colunista Blog do Andros

idoso
Imagem/123rf.com

A Doença de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva. É causada por uma diminuição intensa da produção de dopamina, que é um neurotransmissor (substância química que ajuda na transmissão de mensagens entre as células nervosas). A dopamina ajuda na realização dos movimentos voluntários do corpo de forma automática, ou seja, não precisamos pensar em cada movimento que nossos músculos realizam, graças à presença dessa substância em nossos cérebros.

Na falta dela, particularmente numa pequena região encefálica chamada substância negra, o controle motor do indivíduo é perdido, ocasionando sinais e sintomas característicos. De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), existem aproximadamente, 4 milhões de pessoas no mundo com a doença. Com o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento da população, esse número pode dobrar até 2040. O paciente apresenta alguns sinais característicos da doença:

• Lentidão motora
• Rigidez articular
• Tremores de repouso
• Alteração do sono
• diminuição do olfato…

Há tratamento medicamentoso, cirúrgico e fisioterapêutico que possuem resultados positivos para melhorar a qualidade de vida do indivíduo. “Diagnóstico não é destino de vida. Não desista!”

epnova
Dr. Elexsandro Araújo é Fisioterapeuta, Mestrando em Gerontologia e Especialista em Gerontologia. Diretor da Terapias Integradas Home, Professor, Palestrante, Escritor e Colunista

Contato: elexsandroaraujo@outlook.com
Instagram: @elexsandroaraujo