Em conversa com a coluna, elas falaram do amor em estar à frente de um Lar Geriátrico

28/03/2020 às 12:58 – Por Elexsandro Araújo / Colunista Blog do Andros 

m-a
Michelle Sultanum/Diretora do Lar Aconchego. Adriana Barros/Gestora do Lar Aconchego. Fotos: Divulgação

Elexsandro Araújo: Michelle, o que levou você a abrir o Lar Aconchego?

Michelle Sultanum: Muito embora faça parte do ciclo natural da vida, todos nós enfrentamos grandes dificuldades ao vermos os membros tão amados da nossa família passando pelos dolorosos processos do envelhecimento. A sensação de impotência aumenta quando percebemos que não podemos dar para eles tudo o que merecem: atenção 24 horas, carinho a todo momento, sentimento de pertencimento e o olhar especializado de profissionais da área. Foi com esse mesmo sentimento de inquietude, de queremos fazer mais, que eu e meu marido Alexandre, decidimos criar um local onde minha avó e a mãe dele pudessem passar por essa fase da forma mais digna e feliz possível. Decidimos criar algo nem melhor nem pior que qualquer outro lugar com mesma finalidade, mas sim, um lugar “diferente”. Muito mais do que um estabelecimento comercial, uma casa.

EA: Qual o seu estímulo diário pra manter esta instituição?

MS: Saber que aqui eles encontram um lugar que eles podem chamar de “meu lar”.

EA: Uma frase que resuma o seu amor por esta causa.

MS: Presente de Deus em minha vida. Um lugar de amor, empatia, cuidado e assistência a pessoa idosa.

Elexsandro Araújo: Adriana, o que levou você a doar grande parte do seu tempo para este trabalho?

Adriana Barros: Historicamente eu tenho uma afinidade enorme pelos idosos, durante minha infância eu já tinha uma relação incrível neta-avó, é um amor imensurável… e, a convivência com os avós com todo o amor envolvido veio à tona na fase de amadurecimento profissional, aonde o que realmente vale é o prazer, o amor no que se faz, os conceitos mudam e os valores da vida vão muito além.

EA: Qual o seu maior estímulo diário para manter a alegria em lidar com
pessoas idosas, com personalidades e características diferentes?

AB: Com certeza é o bem que faço ao próximo, é o que retroalimenta a
engrenagem.

EA: Hoje, o que representa para você está inserida na área de gerontologia?

AB: Significa muito mais que um trabalho, sinto um prazer imenso em aprender sobre a gerontologia. Eu amo a ciência e, atrelada a fazer o bem, é literalmente desafiador, é o amor em sua essência propriamente dita!

Michelle Sultanum e Adriana Barros, foi uma satisfação inenarrável recebê-las na minha coluna! Muito obrigado.

*A casa fica na Rua Água Doce, 787 – Barra de Jangada, Jaboatão dos Guararapes

epnovaDr. Elexsandro Araújo é Fisioterapeuta, Mestrando em Gerontologia e Especialista em Gerontologia. Diretor da Terapias Integradas Home, Palestrante, Escritor e Colunista

Contato: elexsandroaraujo@outlook.com
Instagram: @elexsandroaraujo