13/03/2020 às 17:46 – Por José de Siqueira / Colunista Blog do Andros

jantar-oferecido-pelo-presidente-dos-estados-unidos-da-amrica_49633459132_o.jpg
Bolsonaro e Trump em recente encontro. Foto: Alan Santos/PR

O coronavírus viralizou no Brasil, até agora, graças a Deus, sem vítima fatal. Confiamos que pode ser vencido sem matar ninguém da população brasileira. O presidente Bolsonaro acredita tanto na força e no veneno da nossa Pátria Armada que, em visita ao colega Donald Trump, minimizou a crise internacional provocada por esse vírus, chamando-a crise pequena, crisezinha, superdimensionada pela imprensa.

Os governos da China, Itália, Espanha, entre outros, decretaram o esvaziamento das ruas, das praças desportivas, dos ambientes de trabalho, de estudo, de lazer, desaproximando as pessoas, a quem recomendam distanciamento mínimo de um metro umas das outras. Nada de abracinhos, beijinhos, apertos de mãos, outras intimidades.

Perguntado por jornalistas sobre a crise do petróleo decorrente do coronavírus nosso presidente retrucou:

– Que crise? O petróleo interessa mesmo é à bolsa de valores. A Petrobrás vai muito bem. Sofre prejuízo num dia, recupera no outro. O valor das ações é oscilante.

– Mas, presidente, foram 91 bilhões de perda num dia….

– Bobagem, bolsa de valores é assim mesmo, pura especulação, é fantasia.

A crise dos transportes por falta de cargas e proibição de passageiros reduziu drasticamente o consumo de combustíveis fósseis, daí duas das maiores produtoras de petróleo do mundo, movidas por interesses particulares e carência de bom senso, Rússia e Arábia Saudita, resolveram aumentar a produção petrolífera e baixar o preço desse produto, detonando as empresas concorrentes pelo mundo afora.

No frigir dos ovos, todas essas crises são uma só: Dimensão variada da pandemia do coronavírus, ou seja, crisinha de nada, uma crise bem pequenininha, segundo a lógica do absurdo.

O coronavírus, sentindo-se ultrajado em sua fama de mau, cobrou respeito e mostrou do que é capaz. Num abrir e fechar de olhos sentou o presidente Bolsonaro no banco dos suspeitos de contaminação e ele aparece nos jornais mascarado – máscara branca -, é bem verdade-posicionando-se pelo adiamento das manifestações de rua do dia 15, para evitar aglomerações. Em poucos dias, impressiona o número de contágios confirmados.

josepJosé de Siqueira Silva é Cel da PMPE,
mestre em Direito pela UFPE e
professor de Direito nas faculdades
IPESU e FOCCA

Contato: jsiqueirajr@yahoo.com.br