Baile do Menino Deus celebra o Natal com espetáculo gratuito

23/12/19 às 17h00 – Do  João Alberto Blog 

Galeria_Baile-e1577123589486

Baile do Menino Deus – Créditos: Divulgação

A 36ª edição do Baile conta com três dias de celebração e a estreia do grupo Bongar. O espetáculo começa hoje (23) e fica em cartaz até o dia 25 de dezembro. Com a preocupação de resgatar e reler as tradições populares do Brasil, o Baile do Menino Deus realiza mais uma maratona de espetáculos que celebram de forma única, o nascimento de Jesus, o Menino Divino. Consolidado no calendário brasileiro é conhecido por levar além de conterrâneos, turistas de diversos países para o Recife. O evento é gratuito e apresentado no Marco Zero a céu aberto. As apresentações têm início sempre às 20h.

Caravana natalina pelo Recife

Desfile de ônibus decorados, promovido pelas empresas Conorte, Mobi-PE, São Judas, Transcol e Borborema, acontece segunda (23)

23/12/19 às 12:38 – Por Tony Duda para o Blog do Andros 

image002

Divulgação 

O Natal está chegando e, para celebrar a data e levar o espírito natalino às ruas, cinco ônibus decorados vão levar diversos grupos convidados – como pessoas com deficiência, idosos e busólogos (aquelas pessoas fanáticas por ônibus) – a um passeio pelo Recife. Todos os ônibus sairão do Bairro do Recife e seguirão juntos, em desfile, por um percurso especial, percorrendo a Avenida Agamenon Magalhães, praia de Boa Viagem e retornam ao Recife Antigo.

A ação acontece nesta segunda-feira (23), a partir das 17h. A caravana é uma iniciativa das empresas Conorte, Mobi-PE, São Judas, Transcol e Borborema. O objetivo principal do passeio é iluminar e levar o espírito do Natal às pessoas e aos lugares por onde passarem.

Entre os ônibus que vão participar da ação está o NatalBus – pertencente à empresa Itamaracá Transportes, do Consócio Conorte – que possui iluminação interna e externa, adesivos, além de músicas natalinas, que serão tocadas durante todo o percurso. Outro ônibus participante do passeio é o Expresso do Natal, da Mobi-PE. O veículo possui teto todo ade sivado com estrelas para simular um céu, além de possuir janelas com imagens alusivas ao tema Natal Regional. Os ônibus das empresas Transcol, São Judas e Borborema também possuem iluminação e decoração natalina.

NATAL COM FOME

23/12/19 às 12:16 – Por José de Siqueira / Colunista Blog do Andros

Dezembro, festas de Natal e Ano Novo…

pai-noel-pobre1

“Natal dos idosos, subaposentados, abandonados, desamparados, por vezes sem família, sem renda e sem moradia, que deram tudo de si e já não encontraram emprego ou não tem força para trabalhar”. Foto: Reprodução

O comércio ganha alento, é tempo de dar presentes, expectativas de movimento. Quem pode, porque tem condições físicas e dinheiro, viaja, vai conhecer, por exemplo, a alegria, o sonho encantado de ver neve em outras partes do mundo.

O setor de turismo anima-se na esperança de gerar riqueza, empregar pessoas, intercambiar cultura, promover interrelações pessoais, contatos breves entre indivíduos de origens várias, longínquas ou não. Contatos que podem perenizar-se.

Esse é o Natal dos que têm emprego e renda. Os aposentados ainda com saúde e recursos, felizes por escapar dos efeitos perversos de uma velhice desamparada ou de uma Previdência Social velhaça, malfazeja, salvação do mundo pelo sacrifício dos que envelheceram. E ninguém tem culpa de haver vivido nem deve ser punido por ter envelhecido.

Dizem línguas ferinas e incrédulas, que Deus amou a pobreza, daí ter feito tantos pobres. Mas ele fez a riqueza em quantidade bastante para suprir as necessidades de todos. Com inteligência diminuta e egoísmo gigantesco, apoderou-se a humanidade, desigualmente, do que Deus lhe havia destinado, de modo que poucos amealharam muito, quase tudo, e muitos ficaram com a sobra, reduzida pela avareza a quase nada.

O Natal se festeja hoje, e vai enorme tempo que se repete da mesma forma, muitos comemorando a data pelos atrativos e deleites que oferece, desatentos da ligação entre aniversário e aniversariante, com abastança, com jantares, com presente, viagens, alegria, frequentemente com pouca fé. Os arremediados, intermédios entre ricos e pobres não extremos, com modéstia mas sem carências, com ou sem presentes, com ou sem viagens, mas, dependendo da espiritualidade, com gratidão ao criador pelo que se tem, que dá até para repartir com o próximo. Esse é o Natal sem fome, solidário, até com algum esbanjamento do que nos sobra.

“Dizem línguas ferinas e incrédulas, que Deus amou a pobreza, daí ter feito tantos pobres. Mas ele fez a riqueza em quantidade bastante para suprir as necessidades de todos”

Além do Natal dos fartos, que deveria ser a única forma de aniversário divino, há o aniversário de Cristo vivido pelos carentes.

Natal dos desempregados, que perambulam de porta em porta, de empresa em empresa, pacientemente pedindo emprego, renovando as esperanças a cada desilusão, orando e insistindo à beira do desespero, porque precisam urgentemente trabalhar.

Natal dos idosos, subaposentados, abandonados, desamparados, por vezes sem família, sem renda e sem moradia, que deram tudo de si e já não encontraram emprego ou não tem força para trabalhar. Resta pouco para viver, assim o deseja o Poder Público em nome de um Estado prepotente que ao menos o viver pouco fosse com dignidade e com decência.

Natal dos famintos, dos sem amor, dos descriminados, dos sem teto, dos escravisados pelas drogas, dos presos sem culpa e dos culpados.

Alguém, apossando-se de uma arma de fogo emprestada, em momento de desespero a engatilha e anuncia o assalto: é Natal, estou com fome, sem dinheiro e sem comida, mãos para cima, a bolsa ou a vida.

josepJosé de Siqueira Silva é Cel da PMPE,
mestre em Direito pela UFPE e
professor de Direito nas faculdades
IPESU e FOCCA

Contato: jsiqueirajr@yahoo.com.br

Grande Encontro de véios de Pastoril animou Praça do Arsenal

23/12/19 às 09:55 – Por Andros Silva 

androseosveios

Xaveco, Mangaba, Andros Silva, Cafuné e Lumbrigueta. Foto: Nizinha Lins

A noite do sábado (21) foi de muita festa na Praça do Arsenal, no Bairro do Recife. No palco, os tradicionais “véios” Xaveco (Antônio Coutinho), Mangaba (Walmir Chagas), Cafuné (Carlos Amorim) e Lumbrigueta (Silas Araújo), colocaram o público presente para sorrir, dançar e reviver os tempos áureos dos Pastoris. Eu tive o prazer de ser recebido pela honrosa trupe no palco, logo após a apresentação. Do encontro ficou este clique lindo de autoria de Nizinha Lins. Em nome do Blog, desejo vida longa a esses grandes artistas de nossa terra e que a nossa cultura seja sempre valorizada. Parabéns a Prefeitura do Recife.

Em tempo…  Walmir Chagas, o Mangaba foi autor do texto e diretor  do espetáculo que ocorreu no sábado. Chagas já foi destaque aqui no Blog, quando concedeu uma longa e interessante entrevista a nossa colunista Sidha Moitinho, relembre clicando aqui.