Transmissão do HIV de mãe para filho pode ser evitada

A propagação ocorre durante a gravidez, parto ou amamentação. Porém, risco pode ser até eliminado com algumas medidas de prevenção

02/12/19 às 10:58 –Do Blog do Andros 

gra

“O uso da combinação de medicamentos faz com que os riscos do contágio para o recém-nascido sejam reduzidos”, diz médico. Foto: Divulgação

Domingo, 1º de dezembro, foi celebrado o Dia Internacional da Luta contra a Aids. A doença pode ser passada de mãe para filho. Porém uma notícia de São Paulo é um alento para todo Brasil: a cidade conseguiu eliminar a transmissão do HIV da genitora para o bebê, de acordo com o Ministério da Saúde. Mas como isso pode ser feito? O imunologista e coordenador do curso de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde Edvaldo Souza destaca que o primeiro passo para evitar este problema é o diagnóstico precoce através da testagem da gestante já na primeira consulta do pré-natal.

Esse processo, conhecido por transmissão vertical, pode acontecer em três momentos: durante a gestação, parto ou amamentação. Sem qualquer ação de prevenção, o risco é de 20%, de acordo com o Ministério da Saúde (2014). Já quando grávida realiza o acompanhamento médico, a possibilidade de infecção do bebê é inferior a 1%.

“O uso da combinação de medicamentos faz com que os riscos do contágio para o recém-nascido sejam reduzidos. O grande vilão da transmissão vertical é a falta de terapia adequada e acompanhamento. Esses medicamentos devem ser oferecidos a todas as gestantes portadoras do vírus, mesmo que não tenham sintomas, pois reduz a quantidade do vírus no sangue da mãe e consequentemente diminui a chance de transmissão ao bebê”, disse Edvaldo, da FPS.

Transmissão da doença, segundo o médico Edvaldo Souza

Placenta

“A placenta, que transfere ao bebê nutrientes e oxigênio do sangue da mãe, pode também “deixar passar” o vírus HIV, que causa a Aids. Mas, se o acompanhamento pré-natal for realizado corretamente, essa probabilidade é menor. A transmissão vertical é mais arriscada durante o período próximo ao parto, durante o parto e no período da amamentação”.

Parto

“Durante o parto normal ocorre maior contato de sangue e secreções da mãe com o bebê. Por isso, geralmente, recomenda-se o agendamento de uma cesariana de acordo com o controle ou não do HIV através de medicamentos. Outros cuidados sugeridos são o rápido “fechamento” do cordão umbilical e o banho no neném”.

Amamentação

“O recém-nascido também usa medicamentos em forma profilática até durante quatro semanas. E ele não poderá se amamentar no peito. Assim como o sangue, o sêmen e as secreções vaginais, o leite materno também pode transmitir o HIV”.

Esta entrada foi postada em Saúde.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s