Entrevista: Amauri Nascimento é Pernambucanidade

“Graças a Deus tenho tido uma grande aceitação por parte da mídia pernambucana, as minhas agendas sempre estão no NE1 da Globo, TV Jornal e TV Clube”, ressalta Amauri, músico premiado no 9º Prêmio da Música de Pernambuco

19/11/18 às 16:25 – Por Sidha Moitinho / Colunista Blog do Andros

a

Amauri, entre palavras e risos, diz que o sucesso tem a ver com fazer o que ama. Foto: Divulgação

Este pernambucano irradia leveza e muito talento! Amauri Nascimento tem presença de palco marcante e sem fazer esforço, nos contagia e encanta, harmonizando graça e sonoridade. A sua alma de artista transcende em sua Pernambucanidade aflorada em canções que fazem o corpo balançar e risos revoarem ao som da sua musicalidade. Amauri se deixa ver em versos e melodias que retratam sua essência regional, deixando-nos apreciá-lo através do brilho do seu lado mais íntimo, seu próprio coração.

Amauri evoca do seu eu verdadeiro, o cantor que espalha as suas raízes. Quem é sensível à voz da arte sente imediatamente que o cantor Amauri Nascimento não está representando um personagem midiático. De fato seu amor à arte de cantar seu chão, sua terra, suas raízes, mostra-nos o amor ao Pernambuco Imortal com sua cultura plural, que tanto nos maravilha. Sem dúvida, ganhar fama e dinheiro é uma coisa boa, e ele não rejeita a naturalidade do sucesso que trás seus múltiplos benefícios.

Entretanto para o artista de raiz, os dividendos não são o fim, e sim a consequência de um trabalho realizado no trançado da entrega, da paixão e da dedicação. Amauri, entre palavras e risos, diz que o sucesso tem a ver com fazer o que ama, e amar o que faz sem amarras atreladas ao mercado musical, propriamente dito, e talvez seja essa uma barreira  a ser vencida por todo artista que sente e pensa como ele. Amauri Nascimento faz da sua cultura um caminho pelo qual se revela um artista de estrela maior. Sem dúvida, sua música está contribuindo com o cenário da arte musical brasileira e nordestina, para ser mais exata, com a música pernambucana que evoca nas suas raízes a sua beleza ímpar, pertencentes a todos nós. Continuar lendo

Engenheiro da Prefeitura do Jaboatão e ex-secretário de Habitação e Saneamento responde matéria do Blog

José Carlos Campos comentou sobre o texto do nosso colunista Djalma Júnior, que destacou o fato de apenas bairros das áreas mais nobres como Piedade, Candeias e Barra de Jangada serem contemplados com obras de saneamento

20/11/18 às 14:27 – Por Andros Silva

jose

José Carlos diz que “os serviços serão implantados nas outras áreas da cidade”. Foto: Reprodução/redes sociais

O Engenheiro da Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, José Carlos Campos, respondeu a matéria publicada na coluna Djalma Júnior. No texto, intitulado “Saneamento básico em Jaboatão dos Guararapes parece ser para poucos”,  o colunista do Blog do Andros reconhece os avanços gerados com a Parceria Público-Privada entre Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes e BRK Ambiental, fazendo a cidade subir algumas posições, saindo da vice lanterna para a 85 posição em ranking de 2018 na área de saneamento.

Em contra partida, criticou a pouca atenção do prefeito Anderson Ferreira com o saneamento no município e destacou o fato de apenas bairros das áreas mais nobres como Piedade, Candeias e Barra de Jangada serem contemplados com obras que melhoram a qualidade de vida na localidade. “O bairro de Candeias já vem recebendo ações de implantação do sistema de esgotamento sanitário. Críticos questionam o baixo percentual de ampliação, planejada para sair dos atuais 7% para 17%, e a elitização da implantação, contemplando apenas bairros das áreas mais nobres como Piedade, Candeias e Barra de Jangada. A inclusão de inclusão das comunidades periféricas no processo de universalização é um direito de todos e quase sempre essas parcerias se utilizam da justificativa de que esses espaços não possuem viabilidade financeira. Se continuarmos com esse pensamento, não iremos resolver o problema do saneamento, muito pelo contrário, vamos dividir a cidade de Jaboatão em duas: uma rica com saneamento de qualidade e outra pobre sem saneamento e com pessoas doentes”, alfinetou.

Em resposta ao Blog… José Carlos, engenheiro concursado da Prefeitura de Jaboatão, que já foi secretário de Controle Interno no governo de Fernando Rodovalho e secretário de Administração Regional no governo de Elias Gomes, além de ex-secretário de Habitação e Saneamento da gestão Anderson Ferreira e ex-secretario de Viação e Obras Públicas no governo Fagundes de Menezes, respondeu o seguinte: “A PPP formalizados com COMPESA e a BRK com a anuência e acompanhamento da Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, implantará em toda cidade o sistema de esgotamento sanitário! Acontece que teria que iniciar por alguma área em que por questões topográficas, técnicas e de retorno financeiro foi iniciado por Piedade e Candeias! Os serviços de tratamento do destino final de esgotamento sanitário será pago através da conta de consumo d’água no mesmo volume consumido! Sendo assim os serviços serão implantados nas outras áreas da cidade até atingir 100% da cobertura do tratamento do esgotamento sanitário”, prometeu.

Racismo no mercado de trabalho: Perda de talentos pela falta de equidade racial

20/11/18 às 12:16 – Por Djalma Júnior / Colunista Blog do Andros

negromercado

“O grande problema está no perfil ideal que os recrutadores entendem que existe para as vagas, e em seu imaginário essa vaga quase nunca será ocupada por um negro”. Imagem/Divulgação

Neste dia emblemático que é o Dia da Consciência Negra, vamos falar um pouco do racismo e a sua interferência direta no mercado de trabalho. Ainda existe uma grande falta de sensibilidade dos empregadores, que de uma certa forma mostram indiferença com a questão.

O grande problema está no perfil ideal que os recrutadores entendem que existe para as vagas, e em seu imaginário essa vaga quase nunca será ocupada por um negro. Só para termos acesso a números, 64,2% dos desempregados do Brasil são negros, mesmo que representem 55,7% da população segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Continuar lendo